HÁ COMO SITUAR O HOMEM PÓS-MODERNO ?
"Cronicas De Dias Com Sol E Chuva"
Edit/Bow Art International - 2009
Um dia desses vindo de São Paulo ,na ponte aérea,um artista fez-me esta pergunta.Além de ser uma pessoa simpática, o seu questionamento avivou o constante desejo de ter um bom diálogo e deixar o tempo fruir com prazer.A indagação cercou me de vaidade porque o companheiro que sentou-se ao meu lado possui relevante trajetória no circuito da arte é educado e discreto no vestir.Aproximadamente, um mês atrás, nos cumprimentamos em uma pretensiosa e hermética coletiva em Porto Alegre do qual ele fazia parte.Por prudência, creio não pediu a minha opinião sobre a coletiva no Sul.Para ser mais objetivo preferi transferir à questão enfocando o material que tinha em mãos, antes situei o atual Ser como um hiper valorizador do individualismo a ponto de filosoficamente criar o neo individualismo.As sociedades pós-industriais onde a tecnologia e a ciência se mesclam programam o Homem nos seus mínimos detalhes,falei com palavras mais simples sobre esses tópicos. A partir daí, pedi-lhe que olhasse para os passageiros próximos a nós os que se aproximavam através de detalhes, vestimenta e ferramentas tecnológicas de um jogo personalizado. Com muita facilidade conseguiu agrupar as pessoas. O celular, computador,fones nos ouvidos,marcas de grifes.O restante eram excluído.- Olhe para nós não estamos excluídos?finalizei. Sorriu com certa ressalva nos gestos da boca. Arrematando montei a análise de um acervo de estátuas móveis decorada pelo narcisismo, consciente ou não. O mais importante era a meu ver separar essa roupagem do interior, ou seja os valores reais formativos de uma personalidade.Sabia que começava a gerar uma polémica e sentia despertar nele, através dos seus olhos brilhosos e arregalados todos em cima da reflexão do sistema que afeta a todos nós um incomodo saudável.As grandes populações mesmo as mais privilegiadas crescem sem referências,são repetitivas e as novas atitudes tem como pretensão substituir as tradicionais,fazer rupturas não é o que desejamos para apresentar o novo?Substituir não significa acrescentar.Para culminar há uma deserção do social vista numa fuga de legitimar o descompromisso.- Meu caro é um dos suportes do pós modernismo.O aqui e agora é o que conta, entregar-se à sedução,bem a sedução leva ao desejo e este pelo visto ficará para outra oportunidade.O anúncio luminoso pede para atarmos o cinto,pelo menos temos agora a certeza de estar pousando.
Vicente de Percia

Exibições: 3

Comentar

Você precisa ser um membro de Arte em Cima para adicionar comentários!

Entrar em Arte em Cima

Últimas atividades


Fórum

Sugestões para melhorar a GaleriaAberta.net

Iniciado por António Dulcídio. Última resposta de Elisabete lopes johansen 17 Nov, 2015. 1 Resposta

Aqui poderá deixar o seu contributo para nos ajudar a melhorar a GaleriaAberta.net. Deixe-nos aqui a sua sugestão. Continuar

Quais são as pinturas mais famosas do mundo em sua opinião?

Iniciado por Caion Fatibello Alves 22 Out, 2015. 0 Respostas

Olá pessoal! Eu escrevi um artigo sobre as 50 pinturas mais famosas do mundo em um blog, porém, gostaria de saber se a lista está boa da…Continuar

Que se lo ponga Cualquiera.

Iniciado por Fernando Ricardo Bezerra Rocha. Última resposta de Fernando Ricardo Bezerra Rocha 6 Jul, 2015. 4 Respostas

Hola, un mensaje a los Navegadores. Es solamente una observación como observador de vuestra Bienvenida  Associaçao. Noto que en las exposiciones presentadas no se ve ningún joven, niños o algo parecido a un adolescente.Como soy cazador, no me a…Continuar

Pesquisa sobre artes e redes sociais - para tese de doutorado

Iniciado por Sharine Machado Cabral Melo 19 Nov, 2013. 0 Respostas

Olá! Faço doutorado em Comunicação e Semiótica na PUC-SP. Estou fazendo uma pesquisa para minha tese. Se puderem, por favor, ajudem a responder e compartilhar.Obrigada!…Continuar

© 2017   Criado por António Dulcídio.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço